Todos os posts de Pedro Soares

Reflexões Espirituais num mundo maluco

Nós não nascemos com ódio… Apenas nascemos… Os modelos sociais é que nos ensinam a odiar… Amor não vende nada, Amor dá, enquanto o ódio vende armas, vende facas, vende bastões de baseball, vende venenos, ódio vende remédios…

Ódio vende chocolates, frustração, quem odeia come compulsivamente. Quem ama compartilha o seu alimento, compartilha o seu agasalho, compartilha o seu cobertor… É esta a sociedade que criamos, vivemos e alimentamos, a sociedade do eu, eu sou isso, eu sou aquilo… Eu sou branco, eu sou negro, eu sou Drag, eu sou gay, eu sou cristão, eu sou isso, eu sou aquilo… Eu quem?

Quem sabe o que é? Só há uma raça, a humana… A ciência reduz a fragmentos e identifica com a etiqueta do “eu sou”. A cultura reforça as diferenças todos os dias, as tradições eternizam… Ninguém pensa num Deus Negro, num Deus mulher, num Deus criança, num Deus Medusa com vários tentáculos amorosos saindo de sua cabeça, com uma tromba grande como nariz e olhar infantil, que tem um ratinho como amigo, um Deus Ganesh…

E assim caminha a humanidade, criando pecados e vivendo em sombras enquanto armamentista e beligerante, se julgam uma raça superior…

Somos humanos… Somos únicos?

Há sim uma sublime lição que todos nós podemos aprender…

“A Filha de Santo chegou para seu pai espiritual e disse: Pai, não aguento mais a minha vizinha! Quero matá-la, mas tenho medo que descubram. O senhor pode me ajudar?
O Pai respondeu: Posso sim minha filha, mas tem um porém…Você vai ter que fazer as pazes com ela para que ninguém desconfie que foi você, quando ela morrer. Vai ter que cuidar muito bem dela, ser gentil, agradecida, paciente, carinhosa, menos egoísta, retribuir sempre, escutar mais…Tá vendo este pozinho aqui? Todos os dias você vai colocar um pouco na comida dela. Assim, ela vai morrer aos poucos.
Passado os 30 dias, a filha voltou e disse ao pai: Eu não quero mais que ela morra! Eu passei a amá-la. E agora? Como eu faço para cortar o efeito do veneno?
O pai, então, respondeu: Não se preocupe! O que eu te dei foi pó de arroz. Ela não vai morrer, pois o veneno estava em você!”

Quando alimentamos rancores, morremos aos poucos. Que possamos fazer as pazes conosco e com quem nos ofendeu. Que possamos tratar os outros, como gostaríamos de ser tratados. Que possamos ter a iniciativa de amar, de dar, de doar, de servir, de presentear…e não só de querer ganhar, ser servido, tirar vantagem e explorar o outro.

Que o amor nos alcance todos os dias, pois não sabemos se teremos tempo de nos purificarmos com este antídoto chamado perdão e altruísmo.

A cultura dos rótulos, das etiquetas está tão enraizada na espécie humana, tão emaranhada no falso conhecimento… a gente não lê a alma da pessoa, a gente lê o rótulo… É negro, é branco, é católico, é pagão, é santo, é pecador, é pegador, é veado, é gay, é putinha…

A gente não aprendeu a ler as almas, a se encantar com a magia da vida que nos acorda todas as manhãs… Não somos nós quem acordamos, é a vida que nos acorda com essas etiquetas sociais… é hora do café da manhã, do almoço, do jantar, é hora de trabalhar, de dedicar, de governar, de limpar o lixo acumulado, de varrer o tapete ou colocar a sujeira embaixo do tapete, dizem as etiquetas das horas, fecha as pernas, você é uma mocinha, homem não chora, é cedo demais para dormir, agora não é hora de comer…

perdemos a relação com a barriga, com a fome, com o instinto, negamos e desconhecemos o instinto porque usamos relógios e agendas, tá bom, celulares, que nos governam o tempo, a agenda, a vida… e com isso deixamos de viver, deixamos de sentir…
As culturas das etiquetas são tão fortes… mulher é sexo frágil, homem não chora, é preciso “matar” um leão por dia… e por ai vai… matar um leão por dia? porque? pra que? nunca contradizemos as etiquetas… você tem que ser alguém na vida, de preferência um médico, um doutor… dê orgulho à sua família… médico é sinônimo de honra? de riqueza? de orgulho? não existem médicos gays? médicos não podem ser gays? médicos não se corrompem? médicos não podem falhar, não podem errar? médicos não roubam? médicos não usam drogas? etiquetas e mais etiquetas…

Você tem que ser advogado, toda a sua família foi de advogados… você tem que ser também, seguir a tradição da família, e te colocam etiquetas, você não pode ser bailarino, dançar é coisa de bicha – eles dizem com suas etiquetas… vai ser músico? fudeu, músico não ganha dinheiro, músico sofre, você vai tocar no metrô, dizem as etiquetas…
Perdemos a conexão com a alma, com o encantamento da vida, com a magia da imensa diversidade da terra, tantos animais diferentes no mundo inteiro, e animais não são gays? não praticam homossexualismo? Homossexualismo é coisa do bicho homem… dos homens animais? esses bichos, alguns nem conhecemos ainda, tantos bichos diferentes, tantas plantas diferentes, algumas nem conhecemos ainda, tantos minerais… mas a ciência coloca etiquetas, ciência é a arte de etiquetar, é burro se não souber o saber, vamos validar a ciência pois a ciência é o saber… você é burro se não estudar, só a ciência pode nos salvar, como a religião, ela também nos salva… de que? qual é a salvação? o sol toca o ímpio e o santo, tanto quanto a ciência os toca, o cancer também os toca, o alcoolismo idem… o cancer contamina o santo e o ímpio e aos cientistas também, a morte nos torna iguais, não há seleção…

Com isso perdemos a magia que nos absorve…
Com isso perdemos a alma, o sentido de viver, o sentir e o viver, nos perdemos como milhares de pessoas, que são objetos perdidos em meio a multidão, de zumbis autômatos, preocupados com o dia de amanhã… deixando de viver o hoje, o agora, juntando seus milhões para deixarem às futuras gerações de herdeiros, para se consumirem na droga, uma droga de vida…

Isso tudo é apenas uma maneira de você gastar seu dinheirinho, comprar suas roupinhas tradicionais, usar as marcas de consumo, dar o seu dízimo e se neutralizar na sua verdadeira natureza: Deus…

Editorial repressor

Hoje é só questão de um desabafo rápido!

Porque as pessoas projetam nos outros as suas frustrações? Ou seus desejos e as suas angústias?

Porque que as pessoas preferem passar a vida inteira apontando os dedos na cara dos outros sem sequer por um segundo parar e se observar?

Porque que as pessoas preferem o caminho mais ardiloso, mais cruel, em vez de escolher a amorosidade e o afeto?

Já pensou como seria sua vida se cada programa policial fosse substituído por um programa de incentivo e apoio à cultura? Se tirássemos a violência do ar e colocássemos poesia, música, teatro e outras artes?

Já imaginou o que seria do mundo se todas as novelas fossem substituídas por telecursos que capacitam e treinam pessoas a serem pessoas mais inteligentes e prósperas?

Mas será que você realmente ia ser mais feliz com essas propostas, ou será que você prefere assistir à desgraça alheia, à fome, à miséria, a todas dificuldades que enfrentamos todos os dias? Será que você prefere ver essas atrocidades pra se sentir um pouquinho melhor a seu respeito? Um pouquinho mais digno do céu que tanto você acredita?

Sei lá… só um desabafo mesmo! Julguem o quanto quiser!

Terrorismo Olímpico

Não tá fácil a vida de terrorista islâmico nem no Brasil nem lá fora. Uma bela reportagem da Piauí Herald mostra o drama que os homens bomba estão sofrendo com as balas perdidas do Rio de Janeiro os explodindo antes que consigam se explodir pela justa causa a que se propõe.

Todo mundo sabe que uma explosão errada não rende ao terrorista em questão nenhuma virgem no céu eterno…

 

Leia mais aqui: The piauí Herald – Estado Islâmico reclama de falta de estrutura para o terrorismo no Rio

A vida em um navio de cruzeiro

Pra você que sempre quis saber como é a vida dentro de um Cruzeiro, o site www.123cruzeiros.com.br elaborou uma lista de perguntas e respostas para facilitar a tua compreensão!

 

 

Quem se encontra a bordo?

Com Costa cruzeiros, MSC Cruzeiros, Louis Cruise Line em cruzeiros pelo mediterrâneo, a clientela será largamente francesa e italiana. Com Norwegian Cruise Line, Carnival ou RCCL, em cruzeiros pelo Caribe e América do Norte a clientela será mais americana. Viajará em companhia de pessoas do mundo inteiro, que compartilharão o desejo de se divertir. O ambiente do cruzeiro ajuda a conhecer novas pessoas e também se divertir com os animadores a bordo do navio. Dança, animações e música, deixe-se levar pelas atividades de animação. Em contrapartida, se preferir a tranqüilidade, ninguém virá lhe incomodar na intimidade da sua cabine, spa, e em áreas longe das animações.
Como conhecer as atividades propostas a bordo?
Diariamente, cada companhia edita um boletim de informações em várias línguas. Receberá um exemplar diretamente na sua cabine, que lhe indicará:

Os acontecimentos diários (jogos, concursos, aulas de dança, aulas de exercícios…)

Programação dos filmes e dos espetáculos assim como seus lugares

Hora das refeições

Os coquetéis do dia

Lojas abertas e promoções

Horários de abertura dos serviços a bordo (recepção, escritório das excursões, cabeleireiro, esteticista, salas de desporto)

Programas e tarifas das excursões do dia

Como pagar as compras a bordo?
Para mais segurança, todas as companhias de cruzeiros escolheram evitar qualquer circulação de dinheiro a bordo. Desde sua chegada sobre o navio, receberá um cartão de pagamento da companhia, este cartão lhe permitirá pagar todas as despesas a bordo, das bebidas ao cassino. Aconselhamos guardar todas as faturas, e receberá ao fim do cruzeiro o histórico das despesas. O seu cartão de cruzeiro funciona igualmente como identificador eletrônico quando você deixa o navio para fazer uma excursão ou desembarcar. Certas companhias, o cartão serve igualmente de chave eletrônica da cabine. Enquanto todos os preços a bordo são afixados em euros ou dólares, o pagamento a bordo pode ser feito – nos cruzeiros brasileiros por algumas companhias – em reais. Serviço limitado de câmbio está disponível recepção durante todo o cruzeiro para as suas despesas.

O que são os serviços oferecidos às famílias?
Durante as férias escolares, numerosas instalações e atividades são dedicadas às crianças e aos adolescentes em função da idade. As crianças são aceitas a partir de 3 anos. Camas de crianças estão disponíveis para os bebês, mas estas camas reduzirão a superfície do chão disponível da sua cabine. Pode ser solicitado serviço de babás – pago à parte, estando o pessoal de bordo disponível para tais serviços. A idade mínima para o serviço de babysitting é de seis meses. Todas as crianças que participam às atividades devem estar limpas.
O que prevê o regulamento de bordo no que diz respeito aos fumantes?
As áreas de fumantes são indicadas em todos os navios. Não há cabines fumantes. Todas as salas de espetáculo e restaurantes são não fumantes. Fumar a pipa e ao charuto é autorizado, mas unicamente sobre as pontes externas e nas salas dedicadas, se for caso disso.

Onde guardar objetos de valor?
Assegure-se que os seus objetos de valor (medicamentos, jóias, objetos frágeis) estejam na sua bagagem de mão e não são deixados na cabine sem estarem guardados no cofre. Se forem objetos de alto valor, faça um seguro.

Como funcionam as lojas a bordo?
A bordo encontrará uma variedade de roupas, produtos de beleza, perfumes, lembranças, presentes, etc.… Acessórios úteis em caso de esquecimento: chapéus, óculos de sol, creme solar, t-shirts… há serviço de fotógrafo profissional, sempre pronto para registrar momentos especiais durante o cruzeiro… As lojas estarão fechadas durante as escalas.

Como se manter em forma a bordo?
Para manter a forma, tem à disposição academia equipada com aparelhos modernos e de última geração: esteira, bicicletas, halteres. Aulas de aeróbica, cursos de ioga etc. Para cuidar dos cabelos, temos à sua disposição um cabeleireiro, uma esteticista e um verdadeiro centro de tratamento com sauna, hammam e massagens. Cada vez mais navios, oferecem hoje um centro de talassoterapia.

11 motivos para você investir seu dinheiro em Viagens

Cada um é cada um, tem sua experiência e história de vida. Mas uma coisa que aproxima todos os seres humanos é a maravilha de conhecer contextos e histórias diferentes da sua.

Sim, estamos falando de Viajar!

Conhecer outras culturas, outros povos, outros costumes.

Viajar é, com certeza, a melhor maneira de investir o seu dinheiro. Muito mais do que comprar bens ou pagar por cursos… e aqui você verá as minhas 11 justificativas pra isso!

viajar

  1. Viajar abre a mente
    Quando conhecemos lugares diferentes, pessoas diferentes e costumes diferentes, aprendemos que o mundo é um lugar mais amplo e que a nossa realidade nem sempre é uma verdade absoluta. Nossa mente se abre pro novo e fica mais acostumada em lidar com novidades e surpresas. Viajar abre a nossa cabeça!
  2. Viajar cria experiência
    Lidar com diferentes situações, em lugares onde não falamos a língua ou onde todos os costumes são novidade desenvolve na gente um jogo de cintura e uma capacidade de adaptação que nenhuma outra vivência é capaz.
  3. A gente se conhece melhor quando viaja
    É u processo de autoconhecimento profundo. Compreender-se em novos ambientes faz com que conheçamos melhor os nossos limites, a nossa aceitação, os nossos sentimentos por nós mesmos e pelos outros. O que você aceita, o que você acha normal, acha justo, vários conceitos são trabalhados internamente quando a gente viaja, principalmente quando a gente viaja sozinho.
  4. Viajar mexe com a nossa inteligência emocional
    Muitas vezes já lemos algum livro sobre algum Um lugar ou vimos algum lugar nos filmes. Quando temos o contato real e sensorial com essas memórias, trabalhamos também as emoções que já habitam o nosso corpo há algum tempo. Isso nos torna mais maduros e mais sadios emocionalmente falando.
  5. É um aprendizado sem igual
    Diferentemente das teorias e dos livros, viajar traz pra gente um aprendizado prático, efetivo, dinâmico e único. Nós nunca voltamos os mesmos depois de uma viagem, sempre ocorre uma ou várias transformações que nos deixam mais pronto para a vida – e para a próxima viagem.
  6. Viajar aumenta nossas referências
    A maneira que entendemos o mundo engrandece quando viajamos. Trazemos vários conceitos ao longo da vida: o que é uma sobremesa, o que é esperar um ônibus, o que é conversar com uma pessoa desconhecida, e assim por diante. Toda nossa experiência cia referências na nossa mente e viajar aumenta quantitativa e qualitativamente as nossas referências a respeito do mundo em que vivemos.
  7. Viajar nos coloca em contato com pessoas interessantes
    Ninguém é igual a ninguém, mas quando ficamos sempre no mesmo bairro, na mesma cidade, no mesmo país, acabamos sem perceber os efeitos que a cultura e o ambiente causam na nossa personalidade. Quando viajamos, conhecemos pessoas que cresceram em outros lugares, completamente diferentes dos nossos. Pessoas interessantíssimas e completamente diferentes daquilo e daquelas que conhecemos.
  8. Viajar recria o seu Ego
    Quando estamos em um lugar onde ninguém nos conhece, percebemos que podemos ser quem ou o que quisermos. temos o péssimo hábito de repetir para nós mesmos “eu sou assim” ou “eu sou assado”. Quando viajamos percebemos a possibilidade de nos redefinirmos, de criarmos uma outra realidade para a nossa pessoa.
  9. Viajar expande o nosso comportamento
    Ao invés de nos limitar, que é o que acontece quando ficamos estagnados e parados no mesmo lugar, viajar é algo que aumenta e expande a nossa gama de comportamento. Das coisas simples às coisas mais complexas; você aprende a tomar banho de um jeito diferente, a olhos nos olhos de um jeito diferente, a ouvir as pessoas de um jeito diferente…
  10. Desenvolve nossa humildade
    Quando viajamos percebemos como somos pequenos e como tudo aquilo que tínhamos como uma verdade incondicional e absoluta é apenas um fragmento da realidade que permeia todo esse enorme planeta azul. Aprendemos o nosso devido lugar, a nossa importância, mas com significado profundo, clareza e humildade.
  11. Viajar é sensorial
    O contato com novos aromas, com uma nova gastronomia, novos sabores, sons, cores, tudo isso enriquece a maneira que percebemos o mundo através dos nossos sentidos. FIcamos mais abertos, mais sensíveis, mais dispostos. Cheirar uma flor na primavera Europeia é uma sensação que você só vai ter na primavera Europeia, assim como dar um mergulho nas águas quentes do nordeste brasileiro. Isso cria novas referências para todo o nosso aparato sensorial, e é uma delícia!

Enfim, eu poderia continuar infinitamente aqui, mas acho que você já entendeu o ponto da coisa…

Agora me conta, você gosta de viajar? Tem seus motivos? O que é que te tira do lugar? Bora começar um bate papo aqui? eu já comecei! Quem retruca?

 

Como dar uma festa de alto nível e luxo

Você acha que tá arrebentando com o seu apartamentinho alugado em maresias e que todas as gatinhas vão pagar um pau quando virem você passeando no BMW do papai?

Meu filho, tu não sabe é nada de alto nível. Pra fazer uma festa de alto nível, você precisa aprender alguns detalhes sobre a vida dos milionários, dos realmente exclusivos, que você nem faz ideia que existem.

Exclusividade

Você precisa ter acesso àquilo que poucos tiveram em suas míseras vidas. Não basta ter um carrão mais – você precisa de uma coleção deles, todos na mesma cor, comprados em cidades cujas iniciais formam o nome da sua empresa. Formar o nome da sua esposa soaria careta, porque você é o jovem brincalhão da família brincando de esbanjar solteirice – mais pra frente na sua vida você vai ser o jovem recém casado da família e, aí sim, poderá esbanjar sua vida de casado de maneira mais clássica – com aneis de brilhantes e brincos de rubi.

Exclusividade é o que a palavra diz: exclusivo. Ninguém mais tem ou quase ninguém mais tem. Portanto verifique em quais aspectos você consegue ser o mais exclusivo para a sua festança: na alimentação, nas mas músicas, nos convidados, onde?

Uma casa maravilhosa

the-15-prettiest-super-luxury-homes-on-the-market-right-now

Esqueça a baladinha fechada no Sirena. Isso já era, não tem nada de luxuoso, requintado ou, pior ainda, nada de exclusivo! Se você pretende dar uma festa de alto nível, daquelas que a própria Caras vai ficar com vergonha de não ter conseguido colocar um repórter lá dentro, você precisa de uma casa de altíssimo padrão, daquelas com dezenas de quartos que ninguém nunca entrou e um teto que chega quase na altura de um estádio de futebol. Felizmente pra você, hoje já existem na internet uma série de sites que disponibilizam casas de luxo para alugar em todo o Brasil, seja para moradia ou para eventos e festas.

Saiba que a sua casinha tem que ter no mínimo duas piscinas – uma mais reservada para os mais assanhadinhos – e muitos cantinhos onde as pessoas possam ter intimidades sem serem vistas, ainda assim com muito luxo. As pessoas requintadas da alta sociedade também dão seus pulinhos e gostam de aventuras – e uma festa sem registro e possibilidade de aventuras, ainda que tenha todo o luxo e requinte – não é uma festa; é uma sala de espera, uma perda de tempo.

Entretenimento

Djs famosos da gringa também são recomendadíssimos para a sua festa de alto nível.

Nomes que estão por trás dos estilos de música mais avançados e diferentes do mercado são sempre os mais solicitados no mercado do entretenimento.

E é preciso ficar de olho nos estilos apresentados. Nada pior pra uma festa que contratar um dj enferrujado que mistura psy trance com axé dos anos 90 (acreditem, eu já vi isso acontecer). Quanto mais você manter o seu estilo fechado, mais você cria identidade à sua festa e, consequentemente, ao seu nome como agitador de festinhas luxuosas.

Comida

Esqueça os PFs e o churrasquinho que você se acostumou. Festa de luxo merece comida gourmet! Isso quer dizer que você vai precisar de uma equipe produzindo, servindo e limpando o evento enquanto ele acontece!

Um pedido que nunca falha nas festas de altíssimo padrão que acontecem no mundo todo São os frutos do mar, tendo a lagosta como carro chefe – esqueça aquele camarãozinho, seu pobre.

Tome muito cuidado para não cometer a gafe que muitos tem cometido ultimamente – tenha sempre opções veganas na sua alimentação de festa. Modelos e jogadores de futebol podem até gostar de uma birita, mas muitos ainda querem manter a forma, apesar do álcool.

E você? Tem alguma dica sobre como produzir uma festa de luxo, de alto padrão? Comenta aí ou escreve pra gente que será um prazer enriquecer esse post!

Saltar de Pára-Quedas como meditação

Todo mundo acha uma loucura. Quem nunca fez acha quase um suicídio. Quem já fez não vê a hora de fazer de novo. Muitos ficam viciados, outros morrem de medo.

curiosidades-sobre-paraquedas-tricurioso-3

Saltar de Pára-Quedas é uma das experiências intensas que não permitem meio termo: ou você ama ou você nem pensa nisso. Como toda experiência que te coloca frente a frente com a morte – afinal, se o brinquedinho não abre, você não só chega mais rápido mas como resolve todos os problemas dessa vida – saltar pode ser um profundo processo de descoberta e autoconhecimento.

A iminência da morte, a queda livre, o inesperado, toda essa mistura de sensações provoca uma descarga de diversos hormônios no nosso corpo, dentre eles a adrenalina, o hormônio do correr ou lutar. Os hormônios alteram nossa percepcão e consciência e, assim, podemos descobrir um novo olhar ao nosso respeito durante uma experiência como essa. Isso pode sim ser um processo meditativo que muda a nossa auto percepção, nosso amor próprio, nosso propósito de vida sim. Pode ser uma experiência extremamente profunda e significativa. Um único salto é capaz de fazer você mudar todos os seus propósitos, seus objetivos, e valorizar ainda mais as coisas simples e gostosas da vida, como um dia de sol ou um abraço dos seus amigos…

A Escola Brasil PAraquedismo é uma das pioneiras na arte no Brasil. Milhares de alunos e malucos já passaram por lá. Existe uma serie de normas que devemos seguir quando saltamos de páraquedas:

NORMAS DA CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE PARAQUEDISMO

(Resumo  para Alunos em Instrução – Categoria AI)

1 – Todo salto deverá ser autorizado pelo instrutor responsável. Ao se dirigir a outra área de saltos ou a outro instrutor, o aluno deverá
apresentar:
– Licença Esportiva emitida pela CBPq, dentro da validade;
– Caderneta de Salto; e
– Autorização, por escrito, do seu instrutor.

2 – Em hipótese alguma, um atleta saltará sob efeito de álcool ou drogas.

3 – O aluno só deverá equipar-se sob supervisão de um instrutor.

4 – Após equipar-se, o aluno deverá ter seu equipamento inspecionado pelo instrutor.

5 – deslocamento da área de equipagem até a aeronave deverá ser feito sob a supervisão do instrutor.

6 – Em hipótese alguma o aluno será obrigado a saltar de uma aeronave em vôo.

7 – O velame principal do Aluno em Instrução deverá estar aberto a, no mínimo, 4.000 pés de altura.

8 – Durante a progressão do curso, o aluno deverá utilizar-se de um equipamento do tipo “STUDENT” contendo todos os acessórios de segurança.

9 – A frequência mínima de saltos em qualquer categoria é de dois saltos nos últimos 30 dias. É sugerido ao atleta com frequência menor que a mínima, a utilizar um velame da categoria anterior ou 20 pés quadrados maior, em dois saltos de readaptação, ficando a critério do Responsável Técnico da Atividade.

10 – Intervalo para dobragem de reservas: 06 meses.

11 – Velame Reserva deve ser maior que 110 pés.

12 – É obrigatório o uso de capacete rígido por paraquedistas de categorias AI; A; e B.

13 – DAA é obrigatório para paraquedistas de categorias AI, A e B.

14 – O Aluno em Instrução (AI) que não saltar em 120 dias, contados desde o último salto, deverá reiniciar o curso.

15 – Os alunos AFF que estejam nos níveis de I a VII e que não realizam saltos há mais de 30 (trinta) dias deverão ser reciclados nos procedimentos no solo e realizar um salto de readaptação no mesmo nível da paralisação antes de continuar com a progressão.

16 – Os alunos AFF que estejam nos níveis de I a VII e que não realizam saltos há mais de 90 (noventa) dias deverão refazer o curso completo desde o teórico.

E você? Tem coragem? Já saltou? Quer saltar e não teve a oportunidade? Comenta aqui a sua experiência e vamos iniciar um bate papo.

 

O que é ser um hipster hoje em dia?

Eles fizeram moda. Eles foram um sucesso. Eles arrebentaram os padrões e transformaram o antigo em algo novo. Agora eles são apenas idiotas…

Os hipsters surgiram numa mistura de testosterona barbuda com a delicadeza do xadrez e dos coletes. No início eram apenas publicitários brincando com seus bigodes, mas a coisa foi ficando séria e deu no que deu – uma tendência, uma moda, um estilo de vida que, finalmente, começa a fracassar!

hipster
Um hipster típico

Como identificar um hipster?

Eles tem um arzinho arrogante e citam séries americanas sem pestanejar. Suas piadas são geralmente reproduções de textos do Connan O’Brien e são, na sua maioria, ateus, pois Deus não é nada chique. Eles inserem vários neologismos nos seus discursos porque acham que é muito cool e super in quando você mostra o seu conhecimento, não só em outra língua, mas no estilo de vida americano. Eles preferem Hemmingway a Jorge Amado e nunca perdem os lançamentos do cinema.

Como diria o nosso amigo Yahoo Respostas (eterna fonte de sabedoria online), hipster são:

…os “iniciadores de tendências”. Geralmente jovens, são pessoas “normais” (o que é normal? errrr), que fazem faculdade, trabalham, convivem tranquilamente com outras pessoas, mas que geralmente são da alta classe social. Ta, não sejamos míopes: é possível um Hipster que não tenha grana. Este geralmente compra suas roupas em brechos e precisa ter mais criatividade para combinações exóticas com o que tiver na mão, mas jamais bregas! Um Hipster não é brega e nem cafona, ele se veste bem, com roupas de boa qualidade, mas com uma combinação incomum, diferente e que não está na moda hoje, mas isso pode vir a ser moda futuramente (2 ou 3 anos mais tarde). São formadores de opinião, criadores de tendências para moda, música e para festas e baladas. São sempre os primeiros, tanto para iniciar algo quanto para descartar esta idéia assim que ela vira de fato modinha, ou seja, quando nós (pobres mortais) achamos que estamos abafando porque descobrimos que casaco de motoqueiro voltou à estar na moda e começamos a usar primeiro que todo mundo da faculdade (uhu!). Sim, estão sempre um passo à frente: fizeram isso com os bones Van Dutch, a volta do modelo anos 80 do Ray Ban (aquele que o Tom Cruise usou em Risky Business), o lenço keffieh e o chapéu estilo mafioso. O nome “hipster”, inclusive, vem de hip, que significa moderno, inusitado, inovador.

O texto acima foi, claramente, escrito por algum hipster.

O que um hipster procura?

Fato é que são apenas homens querendo chamar a atenção de alguma forma, tentando fazer sucesso com as mulheres, conseguir destaque na multidão uma vez que seus perus são muito pequeninos e eles se sentem inseguros com isso. Mais fato ainda é que, como toda modinha, os hipster se viram reféns da própria fama: todo mundo resolveu virar hipster e a coisa perdeu a graça. É difícil viver uma modinha com um discurso de contrariar a moda; a coisa se transforma em um paradoxo insustentável e o tempo, ah o tempo, sempre implacável, dá conta de finalizar as tendências hipócritas que dizem ser contra as tendências.

Hoje eles tentam o discurso do “old-school” hipster – mais uma vez um termo em inglês para aumentar a descolagem da coisa – tentando separar aqueles que eram hipster desde o começo da história daqueles que se hipstearam depois que a coisa bombou. Procuram criar uma diferença de acordo com o tamanho do bigode, a combinação inusitada de listrado e xadrez, mas fato é que, assim como os estudantes de datilografia e os trabalhadores de central de bip, os hipsters perderam o seu momento e estão em decadência.

Diferentemente dos metrossexuais que continuam com tudo, lindões, pegando todo mundo e abusando da moda – o que eles nunca esconderam de ninguém.

Moral da história: a hipocrisia é um bichinho que mora no bigode.

Beleza e Sexualidade

O que é belo? O que é atraente?

É difícil sermos atraídos sexualmente, por pessoas fundamentalmente diferentes de nós mesmos, na constituição racial. Assim, acontece com frequência que esta admiração por nossas próprias características raciais leva à idealização de aspectos que estão muito distanciados da beleza estética. O seio firme e redondo é, sem dúvida, um característico de beleza, mas, entre muitas das populações negras da África os seios descaem em uma idade precoce, e aí verificamos que às vezes o seio descaído é admirado como belo.

Para tornar razoavelmente completa a análise da beleza sexual deve-se acrescentar, pelo menos, um outro fator: a influência do gosto individual. Cada indivíduo, qualquer que seja o grau de civilização, constrói, dentro de certos limites estreitos, um ideal feminino próprio, em parte na base de sua constituição especial e das exigências desta, em parte sobre as atrações eventuais concretas que ele experimentou. É desnecessário salientar a existência deste fator, que tem de ser levado sempre em conta em todo estudo da seleção sexual no homem civilizado. Suas variações, porém, são numerosas e nos amantes apaixonados pode mesmo levar à idealização de aspectos que, na realidade, são o inverso do belo. Aqui nos aproximamos do campo dos desvios sexuais mórbidos.

beleza

Assim é que temos de reconhecer outro fator na constituição do ideal de beleza, um fator talvez encontrado exclusivamente nas condições de civilização: o gosto pelo incomum, o remoto, o exótico. Afirma-se comumente que a raridade é admirada na beleza. Isto não é rigorosamente verdadeiro, exceto no que toca a combinações e caracteres que variam somente em pequena escala, em relação ao tipo geralmente admirado. “Jucundum nihil est quod non reficit varietas,” (Nada que a variedade não renova é agradável), de acordo com um antigo ditado. A inquietação e a sensibilidade nervosas, maiores na civilização, aumentam esta tendência, que também não é raro encontrar em homens de talento artístico. Em todos os grandes centros civilizados o ideal nacional de beleza tende a modificar-se de certo modo, em inclinações exóticas e ideais alienígenas, assim como hábitos estrangeiros tornam-se preferidos em relação aos nativos.

A superficialidade da beleza

Se a beleza é assim, o principal elemento na atração sexual através da visão, não é o elemento único. Em todas as partes do mundo isto tem sido bem compreendido e, no jogo amoroso, no esforço para despertar a tumescência, a atração pela visão foi multiplicada e ao mesmo tempo reforçada por outras atrações secundárias.

Assim temos a scoptofilia (mixoscopia) ou a excitação sexual despertada pela visão de cenas sexuais, ou mesmo simplesmente dos órgãos sexuais do sexo oposto. Até certo ponto isto é inteiramente normal, sendo o vergonhoso de suas manifestações devido ao rígido mistério convencional no qual é mantido o corpo nu. Muitos homens de valor procuraram na juventude oportunidades para observar mulheres em seus quartos de dormir e muitas mulheres respeitáveis olharam através de fechaduras de quartos de homens, embora não gostassem de confessá-lo. É, na verdade, um hábito de senhorias e criadas fixar o olhar nas fechaduras dos quartos onde há casais, que elas suspeitam possam estar em colóquio amoroso. As pessoas que atrevidamente praticam essa mixoscopia são chamadas peepers (pessoa que espreita). Estas manifestações atraíram por vezes a atenção da polícia, principalmente em Paris, e sei de mulheres que surpreenderam homens a observá-las através da claraboia, nos fundos de instalações públicas nos jardins das Tulherias.

A moralidade como objeto de desejo

Sob outra forma temos a atração sexual por quadros com figuras não necessariamente de caráter lascivo, por cenas eróticas e a atração sexual por estátuas. Isto é, por um lado, a origem psicológica daquilo que é comumente chamado pornografia (incorretamente, visto que não tem relação especial com pornéus (bordéis) e, por outro lado, do desvio sexual conhecido como pigmalionismo, da história clássica de Pigmalião, apaixonando-se pela estátua que ele mesmo havia feito. Enquanto o interesse nas cenas e imagens eróticas é natural e normal quando não se torna uma paixão absorvente, o pigmalionismo é mórbido porque o objeto adorado é um fim em si mesmo. O pigmalionismo tem sido observado principalmente em homens, mas Hirschfeld menciona uma senhora, frequentadora dos melhores círculos sociais, que foi vista em um museu, levantando a folha de figueira das estátuas clássicas e cobrindo de beijos a parte descoberta. A atração erótica pelas fotografias manifesta-se agora principalmente, e em grande escala, através do cinema, sendo a influência mais poderosa por causa da natureza móvel e sugestiva de vida, das imagens apresentadas. Numerosas pessoas, principalmente mulheres jovens, vão ao cinema dia após dia para contemplar, em estado de excitação sexual, um herói adorado que vive talvez a milhares de quilômetros de distância e que, na vida real, elas jamais verão.